Archives

0

Comments

[sem título]

Tinha decidido passar o Domingo de pijama, com um único objetivo em mente: vegetar. Vegetar muito e com muita força. Sem saber como, acabei por passar mais de 6h numa auto-estrada.

Na noite anterior liguei ao meu pai, num último rebate de consciência por causa do Dia do Pai. Planeava pôr-se a caminho de Lisboa na manhã seguinte para assistir ao lançamento de um livro que incluía poemas da sua autoria. Fez-se um silêncio desconfortável. “Eu vou contigo.” Não sei quando e qual foi o último programa que fiz com o meu pai. Aliás, tirando os sermões, não sei quando foi a última vez que trocámos mais do que meia dúzia de palavras de cada vez. Não sou de guardar ressentimentos, não mesmo. Compreendo e tolero (quase) tudo, não porque goste de me armar em Nossa Senhora da Condescendência, mas porque acho que a maior parte das situações e dos comportamentos que nos desagradam nos outros devem ser vistos como pontas de icebergs. Não sabendo tudo o que está para baixo, não nos devemos precipitar a emitir juízos de valor implacáveis. Isto para dizer que é preciso muito para merecerem um lugar na minha lista “negra”. (Mas não se estiquem, ok? Tenho outras listas intermédias de acesso menos restrito. :P) Portanto, quando a gota transborda para fora desta piscina de proporções olímpicas que é o meu coração, é-me muito difícil separar as águas. No entanto, naquele momento, vacilei. Vacilei porque me lembrei do pai amigo, companheiro, bom coração, que com tantas memórias boas preencheu a minha juventude. “Eu vou contigo.” E fui.

Saímos com tempo para cumprir um pequeno ritual das nossas idas a Lisboa: parámos na Venda das Raparigas, essa terra de nome peculiar com umas bifanas para lá de espetaculares. Acho que da última vez ainda não tinha idade ou gosto para pedir um fino. Não sei se foi por ter trocado a Coca-Cola por uma Super Bock preta fresquinha, a bifana ainda me soube melhor do que a minha recordação hiperbólica.

Voltámos à estrada. Ainda estávamos a ganhar embalo quando nos apercebemos que os carros à nossa frente estavam a travar. Engarrafamento, daqueles em que mais vale desligar o motor e sair para esticar as pernas. Faltava-nos uma boa meia hora de caminho. Estivemos parados 2h. Troquei mensagens com alguns condutores mais à frente (modernices), acidente complicado, mais de uma dezena de veículos de socorro envolvidos, incluindo um helicóptero. Assim do nada, a apenas 3km de nós, duas vítimas mortais, feridos graves, uma criança de 4 anos órfã de pai de um minuto para o outro. Olhei para o meu, encostado ao carro a enrolar um cigarro, e senti-me mal pelo tempo que temos vindo a desperdiçar, eu a trata-lo com uma frieza que nada tem a ver comigo, ele a ignorar os sinais daquilo que mina a convivência familiar.

Quando finalmente reabriram a autoestrada, já passava da hora marcada para o lançamento do livro. Passámos por uma equipa de reportagem que ria descontraidamente ao lado dos poucos destroços que ainda não haviam sido recolhidos. Como é que se fica imune a estas coisas? Como é que se sorri quando uma tragédia nos morde assim os calcanhares? Seguimos viagem, pela autoestrada e pela vida.

Chegámos ao local, os convidados já tinham dispersado, o palco já tinha sido desmontado e as fotografias para a posteridade já tinham sido tiradas. O meu pai, calado mas visivelmente decepcionado, agarrou num exemplar e virou costas. Tentei distanciar-me da tristeza dele dizendo a mim mesma que o Universo lá tem as suas formas por vezes incompreensíveis de dar algumas lições, mas não fui capaz. Dei-lhe o braço enquanto caminhávamos em direcção ao carro para regressarmos a casa. Estava, provavelmente, demasiado absorto na sua frustração para reparar que aquele era o primeiro gesto cúmplice que partilhávamos em muito tempo. Por isso, e em jeito de conclusão pseudo-moralista de filme de Domingo à tarde, nunca deixem de dar o (a)braço a alguém, se sentirem esse impulso. No final, seja ele trágico ou natural, ninguém se arrepende por ter amado demais.

(Também não se esqueçam que são precisos 2.500.000 litros de água para encher uma piscina olímpica.)

0

Comments

Karma

Karma é preparar duas refeições vegetarianas seguidas e levar com o último filme do Rocky Balboa ao serão. Amanhã almoçamos um naco de carne, pronto!…

0

Comments

Privação de Sono

Já não sou capaz de aguentar uma direta como em outros tempos (mentira, nunca fui capaz de aguentar uma direta sem ficar ligada às máquinas a seguir), mas achei que ainda me aguentava com algumas noites mal dormidas no pêlo. Sim, é verdade que trato as insónias por tu, mas não é a mesma coisa que acordar de hora a hora por causa de um gato que mia desalmadamente em busca de fêmeas imaginárias. Agora, uma semana a assistir a este filme na primeira fila, e já estou a fritar da marmita.

Prova disso foi o episódio de Quinta-feira: fui almoçar com a avó ao shopping. Sentei-a e perguntei-lhe o que é que queria comer. Pediu-me uma fatia de pizza e um fino. (Acham que a avó chegou aos 80 anos a beber ice-tea, não?) Lá fui eu para a fila da Pizza Hut, pus-me atrás de meia dúzia de pessoas, esperei, mexeriquei no telemóvel, espreitei os menus, até que finalmente chegou a minha vez.

– Quem está a seguir, por favor?
– Boa tarde. Queria o menu com duas fatias de pizza e um fino, sff.
Empregado faz uma pausa.
– Ok, mas isto aqui é o Burger King.

10519861

0

Comments

1

Comment

Como beber café sem açúcar

Pedimos café a seguir ao almoço como sempre fazemos. Trazem-me um Nespresso(*) acabadinho de tirar. Rasgo o pacote de açúcar pelo cantinho, o gesto inconsciente de tantos anos do mesmo ritual. Nisto, um vipe. Afasto o açúcar e bebo o café. Caretas. A partir de hoje, deste exato momento, acabou-se o café com açúcar. Assim, de repente, sem desmame, sem despedida, nada. Corte limpo. Um novo hábito de um segundo para o outro. Penso nos passos importantes que dei na minha vida, no tempo que perdi a analisar mil possibilidades, mil cenários, as voltas na cama à noite, tanta ponderação, tanto sofrimento. Há poucas coisas nas quais sou capaz de me atirar na cabeça. Depende do compromisso e do impacto desse mesmo compromisso, claro. Da gravidade das consequências, caso o tiro me saia ao lado. É razoável, não é? Toda esta previdência. Pois, mas cansa. Caaaansa com’ó raio. Se, ao menos, fosse tão simples como beber café sem açúcar.

(*) Não, ninguém me pagou para fazer publicidade. Relembro que este blog tem, na loucura, três leitores e um deles é a minha mãe, que só cá vem de 6 em 6 meses.